[English] Printer-friendly version
The Ecumenical Patriarch
The Ecumenical Patriarchate
Bishops of the Throne
List of Patriarchs
Other Orhodox Churches
Theological and various articles
Ecological activities
Youth ministry
Interchristian relations
Conferences
Photo gallery
Holy Monasteries and Churches
Creed
Church calendar
Icons
Byzantine music
Contact details

Ἀρχική σελίς
Ἀρχική σελίς

Patriarchal Proclamation of Christmas 2014.

Ἐπιστροφή
Ἐπιστροφή

MENSAGEM PATRIARCAL
PARA O NATAL

† BARTOLOMEU I
POR MISERICÓRDIA DE DEUS
ARCEBISPO DE CONSTANTINOPLA-NOVA ROMA
E PATRIARCA ECUMÉNICO
A TODO O PLEROMA DA IGREJA
GRAÇA, MISERICÓRDIA E PAZ
DA PARTE DE CRISTO SALVADOR NASCIDO EM BELÉM

Irmãos e filhos amados no Senhor,

“Cristo vem dos céus, encontrai-o!”

Deus apareceu sobre a terra e manifestou-se temporalmente o homem perfeito e o valor inestimável da pessoa humana.

O homem moderno, particularmente, vive a situação posterior de queda, durante a qual quotidianamente comprovamos com o salmista que “todos se extraviaram igualmente obstinados, não há ninguém que faça o bem, nem um só” (Sal 13,3 – Rom 3, 12-13).

Antes da incarnação de Cristo o homem não podia imaginar o valor inestimável da pessoa humana, porque depois da queda tornou-se doente e alterado. Somente homens muito iluminados também sentiram antes de Cristo o valor da pessoa humana e perante a incerteza do Salmista “que é o homem para que te lembres dele? (Sal. 8,5), proclamaram: “fizeste-o apenas um pouco menor que os anjos” (Sal. 8, 6).

Este supremo valor da pessoa humana que foi manifestada pelo Senhor Deus e Homem, desde então, é repetido cada ano em declarações de estados, governos, grupos sociais e entidades internacionais referindo-se ao respeito pela pessoa humana e pelos seus direitos. Mas nos nossos dias vemos quotidianamente a pessoa humana a sofrer as pioresdas humilhações, vemos a sua degradação e ridicularização. Devemos, então, se queremos ser dignos da glória e honra com as quais foi revestida a pessoa humana “Que era como nós para nós”, nosso Criador, fazer tudo o possível para que cessem os comportamentos de arrogância ehumilhação para a pessoa humana.

Continuamos surpreendidos pelo continuamente repetido “drama de Belém”. Porque se trata de um drama e não de um evento jubiloso, visto que o reclinado numa manjedoira, o Filho e Verbo de Deus,é ignorado, e a sua criatura, o homem, não é considerado como “imagem de Deus”.

A nossa Santa Igreja Ortodoxa e a sua teologia ensinam que o homem e o corpo humano são dignos de todo o respeito, porque no Senhor incarnadoforam unidos com Deus. Então, devemos todos juntar os nossos esforços para que seja respeitado por todos o supremo valor da pessoa humana.

Com muito sentimento de coração e tristeza profunda o Patriarcado Ecuménico e a nossa Humildade seguimos estas marcas de violência e brutalidade que de dia para dia aumentam, e continuam a castigar várias regiões do nosso planeta, e especialmente no Médio Oriente e sobretudo os cristãos autóctones, muitas vezes em nome da religião. Não cessamos jamais de proclamar, desde este Sagrado Centro da Ortodoxia, a todos – os irmãos Primados das Igrejas Ortodoxas e das outras Igrejas Cristãs, os representantes da Religiões, os chefes de Estado e a cada homem de boa vontade, e especialmente aos que sob incitamento ou sem colocar a sua própria vida em perigo para ceifar vidas humanas, também eles filhos de Deus, e a todos os lugares – que não pode existir nenhuma forma de verdadeira e autêntica religiosidade e espiritualidade sem amor à pessoa humana. Qualquer formação ideológica, social ou religiosa que ignora o homem criado à imagem de Deus e ensina ou permite a morte do nosso próximo, certamente nenhuma relação tem com o Deus de amor.

Virando, irmãos e filhos, os nossos olhos à situação existente hoje no mundo afastamos a nossa face destes dolorosos eventos de ódio e inimizade, que devastam a humanidade e chegam, com os modernos meios de comunicação, mais facilmente até aos nossos ouvidos e olhos provocando o terror devido aos tremendos factos que chegam, e propomos como forte antídoto à violência moderna “a extrema pobreza” de Deus que surpreendeu os magos e o mundo, que actua sempre como amor. Esta é a força secreta de Deus, a força secreta da Igreja Ortodoxa, a força secreta da estirpe dos cristãos. A força que vence e supera através do amor cada tipo de violência e maldade.

Assim, valorizamos durante o Natal deste ano a situação da humanidade, e desejamos a todos que vivam a alegria do respeito absoluto da dignidade da pessoa, do próximo e o cessar de toda a forma de violência. A vitória sobre a violência, através do amor, é proposta e oferecida pelo incarnado “Grande Anjo de Vontade”, “o Rei da Paz”, Cristo nosso Salvador.

Dele, o nascido e incarnado Senhor da glória, da paz e do amor, a Graça, a Misericórdia e a Bondade infinitas sejam com todos.

Fanar, Santo Natal de 2014

† o Patriarca Ecuménico de Constantinopla Bartolomeu,
fervente intercessor perante Deus de todos vós